Codemig investe em pesquisa geoambiental no Circuito das Águas de Minas Gerais - ALÔ ALÔ CIDADE

Publicidade

Com investimento em torno de R$ 2 milhões, iniciativa permite atualizar e aprofundar estudos técnico-científicos sobre a origem e os fatores influenciadores das águas minerais na região de Caxambu, Conceição do Rio Verde, Cambuquira e Lambari

24/04/2018
O Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig ), está realizando o Projeto de Pesquisa do Circuito das Águas, no Território Sul. Os estudos buscam atualizar e aprofundar os conhecimentos técnico-científicos sobre áreas das fontes hidrominerais da Companhia na Bacia do Rio Verde, abrangendo as estâncias de Caxambu, Conceição do Rio Verde, Cambuquira e Lambari.
 
A iniciativa é importante para ampliar a compreensão da origem e dos fatores influenciadores das águas minerais na região. Viabilizada mediante contrato com a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), a ação conta com investimento de R$ 1.997.800,00, oriundos da Codemig.

O contrato foi assinado em dezembro de 2017 e tem vigência de 15 meses, até março de 2019. Iniciado em janeiro de 2018, o projeto está na 15ª semana, correspondente à etapa de Geofísica. Essa fase deve durar 28 dias, até o próximo dia 14/5.

Nesse período, uma equipe de pesquisadores e consultores do Observatório Nacional conduzirá os estudos. A pesquisa geofísica envolve a utilização de equipamentos de medição de propriedades físicas do maciço rochoso e do solo, por meio de sensores, fiação e cabos elétricos. Nenhuma dessas atividades causa danos ou prejuízos às propriedades e a seus ocupantes.

O desenvolvimento do Projeto Circuito das Águas se dá mediante a condução sistemática de investigações hidrogeológicas específicas, contemplando as seguintes etapas: Compilação e Preparação; Pesquisa Geológica e Geofísica; Pesquisa Hidrológica e Climatológica; Pesquisa Hidrogeológica; Pesquisa Hidrogeoquímica; Pesquisa das Águas Minerais; Síntese e Integração; Pesquisa Socioeconômica; Sondagem; e Geoprocessamento.

A equipe técnico-científica principal do projeto é constituída por mais de 20 integrantes, entre professores, pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação e auxiliar de administração, vinculados à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), à Fundep e/ou outras instituições.

O trabalho culminará na entrega do Relatório Final e do Sistema de Informações Geoambientais do Circuito das Águas (Siga), até dezembro de 2018, além de resultados de análises laboratoriais sobre amostras de rochas e águas.

PUBLICIDADE




















Atualização e aprofundamento

O projeto está sendo executado em consonância com estudo anterior, publicado em 1999, denominado Projeto Circuito das Águas do Estado de Minas Gerais, disponível no site da Companhia.

A pesquisa de quase duas décadas atrás foi elaborada com base em convênio entre o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e a Companhia Mineradora de Minas Gerais (Comig), atual Codemig. Desde então, foi marcante o avanço do conhecimento geológico sobre a região, que, atualmente, se encontra completamente coberta com mapeamento geológico e levantamentos aerogeofísicos realizados sob as bases do conhecimento técnico-científico dos anos 2000.

Agora, com o novo projeto de 2018, as informações serão atualizadas e expandidas, considerando o avanço dos métodos analíticos capazes de gerar dados de grande precisão e alto poder interpretativo, nas áreas da Geofísica, Geoquímica e Hidroquímica, por exemplo, os quais podem ser incorporados ao conhecimento da Hidrologia das fontes hidrominerais.

Além disso, os estudos geoambientais observarão a legislação ambiental vigente e as demandas contidas no Plano Diretor da Bacia do Rio Verde.

O projeto inclui estudos tectono-geofísicos, petrográficos e geocronológicos, integrados a estudos hidrológicos e de investigações hidrogeológicas, voltados à caracterização química das águas, sua origem, dinâmica de circulação e descarga natural e/ou induzida.

Além de aprofundar o conhecimento sobre o funcionamento hídrico dessas áreas hidrominerais de interesse público, a iniciativa vem subsidiar o ordenamento técnico-normativo de sua gestão e conservação hidroambiental, em curto, médio e longo prazos, diante da atual ocupação urbana e fatores potenciais de contaminação das águas subterrâneas (fontes, poços), entre outros aspectos com potencial influência para sua caracterização como recurso natural e bem socioeconômico.

A Fundep

A Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa e financeira. Sua atuação abarca atividades de execução e gerenciamento de projetos de pesquisa em parceria e cooperação com organismos públicos e privados, visando à produção, promoção e divulgação do conhecimento técnico-científico.

Para tanto, congrega equipes especializadas em áreas diversas do conhecimento, incluindo geologia e recursos naturais do território, além de seus desdobramentos socioeconômicos. A entidade já desenvolveu mais de 20 mil projetos e atividades. É um órgão de apoio a pesquisas realizadas pela UFMG e outras instituições parceiras.

A Fundep tem sido parceira do Estado de Minas Gerais na execução do mapeamento geológico e levantamento de recursos minerais do território estadual. Junto com a Equipe de Geologia e Recursos Naturais, participou da execução dos projetos Espinhaço, Sul de Minas, Alto Paranaíba, Norte de Minas, Fronteiras de Minas Gerais e Triângulo Mineiro

Os estudos produziram a cobertura cartográfica na escala 1:100.000 de 350.000 km2 ou 60% do território mineiro, acompanhados de documentos explicativos com informações e bancos de dados em plataforma SIG, disponíveis no Portal da Geologia.

Também realiza atualmente o projeto Recursos Minerais de Minas Gerais On Line, contratado pela Codemge para promover a ampla divulgação do conhecimento sobre esses bens, incluindo as águas minerais do Estado.

Codemig

Oriunda da Codemig, a Codemig é uma empresa pública que atua em consonância com as diretrizes do Governo Estadual a pauta suas ações, de forma arrojada e moderna, em três grandes eixos estratégicos: Mineração, Energia e Infraestrutura; Indústria Criativa; e Indústria de Alta Tecnologia.

empresa investe em vários segmentos, como levantamento geológico e geofísico, águas minerais, materiais estratégicos e energia, aeroespacial e defesa, biotecnologia, Internet das Coisas, telecomunicações, distritos industriais, turismo de lazer e negócios, moda, gastronomia, audiovisual, música e artes.

Sua múltipla atuação está cada vez mais voltada para que riquezas e potencialidades gerem novas oportunidades de investimentos, aumentem a competitividade e propiciem bons negócios para o setor produtivo, beneficiando o estado e os mineiros.

Codemig investe em pesquisa geoambiental no Circuito das Águas de Minas Gerais

Com investimento em torno de R$ 2 milhões, iniciativa permite atualizar e aprofundar estudos técnico-científicos sobre a origem e os fatores influenciadores das águas minerais na região de Caxambu, Conceição do Rio Verde, Cambuquira e Lambari

24/04/2018
O Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig ), está realizando o Projeto de Pesquisa do Circuito das Águas, no Território Sul. Os estudos buscam atualizar e aprofundar os conhecimentos técnico-científicos sobre áreas das fontes hidrominerais da Companhia na Bacia do Rio Verde, abrangendo as estâncias de Caxambu, Conceição do Rio Verde, Cambuquira e Lambari.
 
A iniciativa é importante para ampliar a compreensão da origem e dos fatores influenciadores das águas minerais na região. Viabilizada mediante contrato com a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), a ação conta com investimento de R$ 1.997.800,00, oriundos da Codemig.

O contrato foi assinado em dezembro de 2017 e tem vigência de 15 meses, até março de 2019. Iniciado em janeiro de 2018, o projeto está na 15ª semana, correspondente à etapa de Geofísica. Essa fase deve durar 28 dias, até o próximo dia 14/5.

Nesse período, uma equipe de pesquisadores e consultores do Observatório Nacional conduzirá os estudos. A pesquisa geofísica envolve a utilização de equipamentos de medição de propriedades físicas do maciço rochoso e do solo, por meio de sensores, fiação e cabos elétricos. Nenhuma dessas atividades causa danos ou prejuízos às propriedades e a seus ocupantes.

O desenvolvimento do Projeto Circuito das Águas se dá mediante a condução sistemática de investigações hidrogeológicas específicas, contemplando as seguintes etapas: Compilação e Preparação; Pesquisa Geológica e Geofísica; Pesquisa Hidrológica e Climatológica; Pesquisa Hidrogeológica; Pesquisa Hidrogeoquímica; Pesquisa das Águas Minerais; Síntese e Integração; Pesquisa Socioeconômica; Sondagem; e Geoprocessamento.

A equipe técnico-científica principal do projeto é constituída por mais de 20 integrantes, entre professores, pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação e auxiliar de administração, vinculados à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), à Fundep e/ou outras instituições.

O trabalho culminará na entrega do Relatório Final e do Sistema de Informações Geoambientais do Circuito das Águas (Siga), até dezembro de 2018, além de resultados de análises laboratoriais sobre amostras de rochas e águas.

PUBLICIDADE




















Atualização e aprofundamento

O projeto está sendo executado em consonância com estudo anterior, publicado em 1999, denominado Projeto Circuito das Águas do Estado de Minas Gerais, disponível no site da Companhia.

A pesquisa de quase duas décadas atrás foi elaborada com base em convênio entre o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e a Companhia Mineradora de Minas Gerais (Comig), atual Codemig. Desde então, foi marcante o avanço do conhecimento geológico sobre a região, que, atualmente, se encontra completamente coberta com mapeamento geológico e levantamentos aerogeofísicos realizados sob as bases do conhecimento técnico-científico dos anos 2000.

Agora, com o novo projeto de 2018, as informações serão atualizadas e expandidas, considerando o avanço dos métodos analíticos capazes de gerar dados de grande precisão e alto poder interpretativo, nas áreas da Geofísica, Geoquímica e Hidroquímica, por exemplo, os quais podem ser incorporados ao conhecimento da Hidrologia das fontes hidrominerais.

Além disso, os estudos geoambientais observarão a legislação ambiental vigente e as demandas contidas no Plano Diretor da Bacia do Rio Verde.

O projeto inclui estudos tectono-geofísicos, petrográficos e geocronológicos, integrados a estudos hidrológicos e de investigações hidrogeológicas, voltados à caracterização química das águas, sua origem, dinâmica de circulação e descarga natural e/ou induzida.

Além de aprofundar o conhecimento sobre o funcionamento hídrico dessas áreas hidrominerais de interesse público, a iniciativa vem subsidiar o ordenamento técnico-normativo de sua gestão e conservação hidroambiental, em curto, médio e longo prazos, diante da atual ocupação urbana e fatores potenciais de contaminação das águas subterrâneas (fontes, poços), entre outros aspectos com potencial influência para sua caracterização como recurso natural e bem socioeconômico.

A Fundep

A Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa e financeira. Sua atuação abarca atividades de execução e gerenciamento de projetos de pesquisa em parceria e cooperação com organismos públicos e privados, visando à produção, promoção e divulgação do conhecimento técnico-científico.

Para tanto, congrega equipes especializadas em áreas diversas do conhecimento, incluindo geologia e recursos naturais do território, além de seus desdobramentos socioeconômicos. A entidade já desenvolveu mais de 20 mil projetos e atividades. É um órgão de apoio a pesquisas realizadas pela UFMG e outras instituições parceiras.

A Fundep tem sido parceira do Estado de Minas Gerais na execução do mapeamento geológico e levantamento de recursos minerais do território estadual. Junto com a Equipe de Geologia e Recursos Naturais, participou da execução dos projetos Espinhaço, Sul de Minas, Alto Paranaíba, Norte de Minas, Fronteiras de Minas Gerais e Triângulo Mineiro

Os estudos produziram a cobertura cartográfica na escala 1:100.000 de 350.000 km2 ou 60% do território mineiro, acompanhados de documentos explicativos com informações e bancos de dados em plataforma SIG, disponíveis no Portal da Geologia.

Também realiza atualmente o projeto Recursos Minerais de Minas Gerais On Line, contratado pela Codemge para promover a ampla divulgação do conhecimento sobre esses bens, incluindo as águas minerais do Estado.

Codemig

Oriunda da Codemig, a Codemig é uma empresa pública que atua em consonância com as diretrizes do Governo Estadual a pauta suas ações, de forma arrojada e moderna, em três grandes eixos estratégicos: Mineração, Energia e Infraestrutura; Indústria Criativa; e Indústria de Alta Tecnologia.

empresa investe em vários segmentos, como levantamento geológico e geofísico, águas minerais, materiais estratégicos e energia, aeroespacial e defesa, biotecnologia, Internet das Coisas, telecomunicações, distritos industriais, turismo de lazer e negócios, moda, gastronomia, audiovisual, música e artes.

Sua múltipla atuação está cada vez mais voltada para que riquezas e potencialidades gerem novas oportunidades de investimentos, aumentem a competitividade e propiciem bons negócios para o setor produtivo, beneficiando o estado e os mineiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário