Feminicídio em Piranguçu-MG - ALÔ ALÔ CIDADE

PUBLICIDADE

Feminicídio em Piranguçu-MG

Compartilhar isso

O marido matou a esposa com dois tiros e em seguida suicidou. 


Um homem invadiu a casa de um vizinho e matou a esposa a tiros neste domingo (10/11), em Piranguçu-MG. A vítima, Adriana Aparecida Siqueira da Silva, de 38 anos, entrou na casa do vizinho, no Bairro Correinha, para fugir do marido, que a ameaçou com uma arma durante uma briga.

Segundo informações da Polícia Militar, a guarnição foi acionada a comparecer no Bairro Correinha, onde populares haviam escutado disparos de arma de fogo em uma residência. No local, a PM deparou com uma testemunha na Rodovia, a qual alegou que estava em sua residência, momento em que sua vizinha Adriana Aparecida Siqueira da Silva de 38 anos, adentrou ao um imóvel sendo perseguida pelo marido Sidiney Marcio dos Santos de 41 anos, o qual empurrava uma arma de fogo e dizia que iria mata-la.
Sidiney matou a esposa e tirou a própria vida em seguida - Foto: Redes Sociais
A testemunha então evadiu da casa, ouviu dois estampidos e após alguns segundos ouviu mais um, do que retornou e pode observar que o Sidney havia disparado dois tiros em Adriana e após se suicidou com um tiro na boca.

A Polícia Militar verificou que a vítima e autor não possuíam sinais vitais e apresentavam perde de massa encefálica, estando Adriana caída no corredor da residência e Sidiney caído na varanda, com um resolver Taurus ao lado de sua mão esquerda. Não foi possível verificar nos corpos os locais atingidos pelos tiros, devido a quantidade de sangue no local.

Compareceu no local, a equipe do SAMU, composta por um médico, o qual atestou os óbitos.

A Polícia isolou o local e acionou a perícia técnica, comparecendo o Delegado Dr. Tomazzo e Perito Dennis, os quais realizaram os trabalhos de praxes e liberaram os corpos para os agentes da Funerária.

A Polícia também entrou em contato com os familiares e qualificaram. Segundo informações, o casal estava enfrentando dificuldades conjugais há um mês, sendo que o Sidiney se mostrava agressivo e ameaça constantemente a esposa, inclusive, já apontou uma arma de fogo a ela prometendo que tiraria a sua vida. Adriana temia a vingança dele, que a situação piorasse se fizesse denuncia contra o marido, pois sabia que não ficaria muito tempo preso e caso viesse ser solto, descontaria nos filhos.

Ainda segundo a Polícia Militar, um testemunha relatou que uma pessoa havia estado na residência durantes a tarde e poderia ser quem forneceu o armamento ao autor. De posse dessa informação, a PM realizou diligências e localizou o suspeito Joaquim. Ele alegou que realmente havia conversado com o Sidiney para comprar munições calibre .22, para revender a um terceiro de nome Claudinei., residente em Brasópolis-MG. Joaquim alegou ainda que havia jogado as munições fora quando soube do assassinato e autorizou que fosse feita uma busca em uma residência, não sendo encontrado nada ilícito. Por fim, ele disse a PM que todas as conversas com Sidiney e com o C. estavam em seu celular. O aparelho celular foi apreendido.

A Polícia Militar foi até a residência de Claudinei., o qual se apresentou próximo do portão e alegou que já estava sabendo do assassinato em Piranguçu e que de fato havia comprado 50 munições .22 de Joaquim, vindo a convidar a equipe de Polícia para adentrar na sua casa e realizar buscas a fim de provar que não possuía nenhuma arma de fogo. Durante as buscas, foram encontradas 43 munições .22 dentro de um porta ovos. Claudinei alegou que eram as que ele havia comprado de Joaquim e iria entregar a seu irmão que reside em Campos do Jordão-SP que possui um revolver. Claudinei não quis fornecer nenhum detalhes a mais.

A Polícia Militar deu voz de prisão, sendo conduzido para a Delegacia de Polícia em Itajubá-MG, com todo material arrecadado nas buscas. O celular da vítima Adriana e a arma de fogo usada no crime e os 5 cartuchos calibre .38, foram apreendidas pela guarnição e entregues para o Perito no local dos fatos.

Um outro suspeito conhecido por ''Pel'', da cidade de Itajubá-MG, foi visto por populares entrando e saindo rapidamente da residência do autor Sidiney e indo embora em um carro. 

"Nós obtivemos informações de que esse revólver calibre 38 estava com ele de forma irregular. Foi apreendido, não tem ainda informações da origem, mas temos informações que outro indivíduo, de uma cidade próxima, havia comprado no mesmo dia outras munições de mesmo calibre com Sidiney", explicou o tenente da PM Carlos Eduardo Gomes Simão. "Chegamos a essa segunda pessoa, que havia repassado as munições a um terceiro. Chegamos a essa terceira pessoa durante a madrugada. Fizemos a apreensão do celular desses dois indivíduos e o encaminhamento para a delegacia. Eles vão responder pelo porte de munição, venda ilegal e ver se eles têm alguma relação com as mortes", detalhou.

A Polícia Civil de Itajubá, que abriu inquérito para apurar o caso, já ouviu dois suspeitos, um que teria fornecido a arma do crime e outro que teria vendido as munições. 

Os corpos do casal, Adriana Aparecida Siqueira da Silva de 38 anos e do Sidiney Marcio dos Santos de 41 anos, foram levados para o Instituto Médico Legal de Itajubá.