Publicidade

As execuções foram realizadas por homens encapuzados que estariam em um carro prata. Todos os mortos foram executados com tiros na cabeça.

02/05/2018
Cinco pessoas foram baleadas no bairro do Curuçambá, na tarde desta quarta-feira (2), em Ananindeua. De acordo com informações repassadas pela polícia quatro adolescentes morreram no local do crime e um homem de 27 anos foi baleado e encaminhado para o hospital Metropolitano. Ainda segundo a polícia, as execuções foram realizadas por homens encapuzados que estariam em um carro prata. Todos os mortos foram executados com tiros na cabeça. No total, já são 39 mortes registradas.
A primeira vítima foi um adolescente de 17 anos, na estrada do Curuçambá. O adolescente estava andando de bicicleta quando foi surpreendido por um carro prata onde homens efetuaram vários disparos de dentro do veículo. Ainda de acordo com a Policia Militar, foram levados os pertences da vítima, como celular e a bicicleta em que ele estava. A segunda vítima foi abordada com mesmas características mas conseguiu sobreviver e foi encaminhada para o hospital Metropolitano.
Ainda de acordo com a policia, o veículo seguiu até o final da linha do Paar, para a rua Francisco Leal onde fez mais duas vítimas. Um adolescente de 13 anos e um 16 anos foram executados ao tentar escapar de cinco homens encapuzados que desceram de um carro prata. Moradores contam que os adolescentes tentaram escalar um muro, mas foram surpreendidos pelos executores. Eles morreram no local.
A última vítima foi um adolescente de 17 anos que estava no pátio da sua residência quando foi surpreendida por um carro prata que estacionou na frente da sua residência. A vítima tentou se esconder na cozinha de casa, mas os atiradores invadiram a residência e efetuaram vários disparos contra a vítima que morreu na hora.
A polícia ainda não sabe se os crimes tem alguma ligação. Os familiares das vítimas negam qualquer envolvimento dos adolescentes com o crime. O baleado identificado como Maurilio Cardoso Carvalho, 27 anos tem passagem pela polícia.

Onda de crimes



Uma guerra entre traficantes de drogas e milicianos fez disparar os assassinatos de policiais militares e de civis no Pará em 2018.
Foram 22 PMs mortos até esta quarta-feira (2). O número já é próximo ao registrado em 2017, quando durante o ano todo morreram 34 militares, de acordo com a Associação de Cabos e Soldados da PM. Em comparação, no Rio de Janeiro, sob intervenção federal na área de segurança, foram mortos 38 PMs em 2018.
Houve, ainda, 686 mortes violentas apenas em janeiro e fevereiro, segundo dados obtidos via Lei de Acesso à Informação pelo projeto Monitor da Violência, parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro da Segurança Pública. O total coloca o estado como um dos três que mais matam no país. Questionado, o governo do Pará não informou a quantidade de assassinatos no estado em 2018.
O capítulo mais recente começou na tarde de domingo (29), com a morte a tiros da cabo da PM Maria de Fátima Cardoso, em Ananindeua, na Grande Belém. Ela vinha sofrendo ameaças de morte. Nas horas seguintes, 39 pessoas somando a morte da PM, foram assassinadas até as 18h30 de quarta-feira (2). 

Fonte: G1

Adolescentes são mortos no Curuçambá e número de assassinados sobe para 39 na Grande Belém

As execuções foram realizadas por homens encapuzados que estariam em um carro prata. Todos os mortos foram executados com tiros na cabeça.

02/05/2018
Cinco pessoas foram baleadas no bairro do Curuçambá, na tarde desta quarta-feira (2), em Ananindeua. De acordo com informações repassadas pela polícia quatro adolescentes morreram no local do crime e um homem de 27 anos foi baleado e encaminhado para o hospital Metropolitano. Ainda segundo a polícia, as execuções foram realizadas por homens encapuzados que estariam em um carro prata. Todos os mortos foram executados com tiros na cabeça. No total, já são 39 mortes registradas.
A primeira vítima foi um adolescente de 17 anos, na estrada do Curuçambá. O adolescente estava andando de bicicleta quando foi surpreendido por um carro prata onde homens efetuaram vários disparos de dentro do veículo. Ainda de acordo com a Policia Militar, foram levados os pertences da vítima, como celular e a bicicleta em que ele estava. A segunda vítima foi abordada com mesmas características mas conseguiu sobreviver e foi encaminhada para o hospital Metropolitano.
Ainda de acordo com a policia, o veículo seguiu até o final da linha do Paar, para a rua Francisco Leal onde fez mais duas vítimas. Um adolescente de 13 anos e um 16 anos foram executados ao tentar escapar de cinco homens encapuzados que desceram de um carro prata. Moradores contam que os adolescentes tentaram escalar um muro, mas foram surpreendidos pelos executores. Eles morreram no local.
A última vítima foi um adolescente de 17 anos que estava no pátio da sua residência quando foi surpreendida por um carro prata que estacionou na frente da sua residência. A vítima tentou se esconder na cozinha de casa, mas os atiradores invadiram a residência e efetuaram vários disparos contra a vítima que morreu na hora.
A polícia ainda não sabe se os crimes tem alguma ligação. Os familiares das vítimas negam qualquer envolvimento dos adolescentes com o crime. O baleado identificado como Maurilio Cardoso Carvalho, 27 anos tem passagem pela polícia.

Onda de crimes



Uma guerra entre traficantes de drogas e milicianos fez disparar os assassinatos de policiais militares e de civis no Pará em 2018.
Foram 22 PMs mortos até esta quarta-feira (2). O número já é próximo ao registrado em 2017, quando durante o ano todo morreram 34 militares, de acordo com a Associação de Cabos e Soldados da PM. Em comparação, no Rio de Janeiro, sob intervenção federal na área de segurança, foram mortos 38 PMs em 2018.
Houve, ainda, 686 mortes violentas apenas em janeiro e fevereiro, segundo dados obtidos via Lei de Acesso à Informação pelo projeto Monitor da Violência, parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro da Segurança Pública. O total coloca o estado como um dos três que mais matam no país. Questionado, o governo do Pará não informou a quantidade de assassinatos no estado em 2018.
O capítulo mais recente começou na tarde de domingo (29), com a morte a tiros da cabo da PM Maria de Fátima Cardoso, em Ananindeua, na Grande Belém. Ela vinha sofrendo ameaças de morte. Nas horas seguintes, 39 pessoas somando a morte da PM, foram assassinadas até as 18h30 de quarta-feira (2). 

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário