Publicidade

Imagem ficará no Trevo da entrada do distrito de São João del Rei.
Eventos de sábado (22) integram a Semana da Consciência Negra

24/11/2014 21:56
Os moradores de Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, Distrito de São João del Rei, no Campo das Vertentes, ficam orgulhosos de viverem na terra natal da beata Nhá Chica.
No último sábado (22), teve uma inauguração no trevo que marcou a entrada do distrito e reforçou mais este sentimento. No local, no quilômetro 266 na BR-265, foi inaugurada uma estátua feita pelo artesão Wilson Dias.
“Fizemos um monumento para identificar o distrito onde Nhá Chica nasceu. A imagem mostra a santa e a pia batismal, uma referência ao local onde ela nasceu e foi batizada na fé católica”, explicou o conselheiro fiscal da Associação de Artesãos, Moradores e Amigos do Rio das Mortes (AAMAR), Rogério Bosco.
Imagem de Nhá Chica feita por Wilson Dias ficará
no trevo (Foto: Thiago Morandi / Arquivo Pessoal)
A escolha da data da homenagem não foi aleatória. Nhá Chica é a primeira negra beatificada no Brasil. E o evento faz parte da programação da Semana da Consciência Negra na cidade. “Nos registros, consta que Nhá Chica é descendente de escravos. A gente entendeu que deveria fazer parte da semana para reforçar esta ligação”, explicou Rogério Bosco.
Os moradores do distrito marcaram a presença de representantes de Baependi, no Sul de Minas, cidade onde a santa brasileira viveu e está sepultada. “Na semana passada, representantes da Associação estiveram visitando a cidade para levar o convite aos devotos de Nhá Chica”, disse o conselheiro da AAMAR.

Além disso, no sábado (22) foi dia de Santa Cecília, santa padroeira dos músicos e que batiza dois grupos musicais do distrito, que vão participar do evento. “A concentração começou as 8h30. Em seguida teve a inauguração e a benção da imagem. A banda e a orquestra Lira de Santa Cecília, que foram registradas em 1895, no ano de falecimento de Nhá Chica, participaram. Depois houve uma procissão até a Igreja de Santo Antônio, no distrito, onde foi celebrada a missa pelo bispo diocesano Dom Célio de Oliveira Goulart.

Esta é mais uma iniciativa para reforçar a identidade do distrito como um local de turismo religioso. “A nossa ideia é incentivar o turismo religioso e, aos poucos, explorar outras ações que podem ser desenvolvidas, como o turismo ecológico, na região”, disse Rogério Bosco. Ele destacou que os moradores e os artesãos buscam capacitação. “O Sebrae é um parceiro local que está nos ajudando. A gente espera melhorar a nossa economia, estimulando os artesões locais, criando essa referência”, resumiu.

Nhá Chica
Francisca de Paula de Jesus, a Nhá Chica, é a primeira beata negra do país. Leiga, ela não pertencia a nenhuma ordem religiosa. Analfabeta, não lia a bíblia, mas aplicava no dia a dia o amor ao próximo e a caridade, o que a fez ser conhecida como "Mãe dos Pobres".
Nhá Chica nasceu em 1810 em Rio das Mortes, distrito de São João Del Rei, no Campo das Vertentes, mas viveu a maior parte da sua vida em Baependi MG, onde morreu no dia 14 de junho de 1895.
O processo de beatificação começou em 1993, mas foi em julho de 1995 que o processo ganhou um capítulo decisivo, quando a professora Ana Lúcia Leite descobriu que tinha um problema congênito no coração. Na véspera de fazer uma cirurgia, ela sentiu uma forte febre e exames posteriores revelaram que o problema havia desaparecido. Ana Lúcia havia rezado a Nhá Chica e considera que foi curada por intermédio dela.
Veja mais fotos da beatificação de Nhá Chica (Foto: Samantha Silva / G1)
A Beata Nhá Chica nasceu em Rio das Mortes e viveu em Baependi, onde foi beatificada em 2013
(Foto: Samantha Silva / G1)
Em 1998, o provável milagre foi enviado ao Vaticano. Em janeiro de 2011, o Papa Bento XVI aprovou as virtudes heroicas da religiosa e designou o título de Venerável a Nhá Chica. Em outubro do mesmo ano, a comissão médica da Congregação das Causas dos Santos do Vaticano aprovou o milagre atribuído a Nhá Chica, concordando que a cura não tem explicação científica. A comissão de cardeais do Vaticano atestou o milagre em junho de 2012 e no mesmo mês, o Papa Bento XVI assinou o decreto de beatificação de Nhá Chica. E a cerimônia foi realizada há mais de um ano, em  Baependi.

Leia na íntegra no G1

Moradores inauguraram monumento em distrito natal de Nhá Chica

Imagem ficará no Trevo da entrada do distrito de São João del Rei.
Eventos de sábado (22) integram a Semana da Consciência Negra

24/11/2014 21:56
Os moradores de Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, Distrito de São João del Rei, no Campo das Vertentes, ficam orgulhosos de viverem na terra natal da beata Nhá Chica.
No último sábado (22), teve uma inauguração no trevo que marcou a entrada do distrito e reforçou mais este sentimento. No local, no quilômetro 266 na BR-265, foi inaugurada uma estátua feita pelo artesão Wilson Dias.
“Fizemos um monumento para identificar o distrito onde Nhá Chica nasceu. A imagem mostra a santa e a pia batismal, uma referência ao local onde ela nasceu e foi batizada na fé católica”, explicou o conselheiro fiscal da Associação de Artesãos, Moradores e Amigos do Rio das Mortes (AAMAR), Rogério Bosco.
Imagem de Nhá Chica feita por Wilson Dias ficará
no trevo (Foto: Thiago Morandi / Arquivo Pessoal)
A escolha da data da homenagem não foi aleatória. Nhá Chica é a primeira negra beatificada no Brasil. E o evento faz parte da programação da Semana da Consciência Negra na cidade. “Nos registros, consta que Nhá Chica é descendente de escravos. A gente entendeu que deveria fazer parte da semana para reforçar esta ligação”, explicou Rogério Bosco.
Os moradores do distrito marcaram a presença de representantes de Baependi, no Sul de Minas, cidade onde a santa brasileira viveu e está sepultada. “Na semana passada, representantes da Associação estiveram visitando a cidade para levar o convite aos devotos de Nhá Chica”, disse o conselheiro da AAMAR.

Além disso, no sábado (22) foi dia de Santa Cecília, santa padroeira dos músicos e que batiza dois grupos musicais do distrito, que vão participar do evento. “A concentração começou as 8h30. Em seguida teve a inauguração e a benção da imagem. A banda e a orquestra Lira de Santa Cecília, que foram registradas em 1895, no ano de falecimento de Nhá Chica, participaram. Depois houve uma procissão até a Igreja de Santo Antônio, no distrito, onde foi celebrada a missa pelo bispo diocesano Dom Célio de Oliveira Goulart.

Esta é mais uma iniciativa para reforçar a identidade do distrito como um local de turismo religioso. “A nossa ideia é incentivar o turismo religioso e, aos poucos, explorar outras ações que podem ser desenvolvidas, como o turismo ecológico, na região”, disse Rogério Bosco. Ele destacou que os moradores e os artesãos buscam capacitação. “O Sebrae é um parceiro local que está nos ajudando. A gente espera melhorar a nossa economia, estimulando os artesões locais, criando essa referência”, resumiu.

Nhá Chica
Francisca de Paula de Jesus, a Nhá Chica, é a primeira beata negra do país. Leiga, ela não pertencia a nenhuma ordem religiosa. Analfabeta, não lia a bíblia, mas aplicava no dia a dia o amor ao próximo e a caridade, o que a fez ser conhecida como "Mãe dos Pobres".
Nhá Chica nasceu em 1810 em Rio das Mortes, distrito de São João Del Rei, no Campo das Vertentes, mas viveu a maior parte da sua vida em Baependi MG, onde morreu no dia 14 de junho de 1895.
O processo de beatificação começou em 1993, mas foi em julho de 1995 que o processo ganhou um capítulo decisivo, quando a professora Ana Lúcia Leite descobriu que tinha um problema congênito no coração. Na véspera de fazer uma cirurgia, ela sentiu uma forte febre e exames posteriores revelaram que o problema havia desaparecido. Ana Lúcia havia rezado a Nhá Chica e considera que foi curada por intermédio dela.
Veja mais fotos da beatificação de Nhá Chica (Foto: Samantha Silva / G1)
A Beata Nhá Chica nasceu em Rio das Mortes e viveu em Baependi, onde foi beatificada em 2013
(Foto: Samantha Silva / G1)
Em 1998, o provável milagre foi enviado ao Vaticano. Em janeiro de 2011, o Papa Bento XVI aprovou as virtudes heroicas da religiosa e designou o título de Venerável a Nhá Chica. Em outubro do mesmo ano, a comissão médica da Congregação das Causas dos Santos do Vaticano aprovou o milagre atribuído a Nhá Chica, concordando que a cura não tem explicação científica. A comissão de cardeais do Vaticano atestou o milagre em junho de 2012 e no mesmo mês, o Papa Bento XVI assinou o decreto de beatificação de Nhá Chica. E a cerimônia foi realizada há mais de um ano, em  Baependi.

Leia na íntegra no G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário