Produção agroecológica ganha espaço nas lavouras mineiras - ALÔ ALÔ CIDADE

CASA DOIS IRMÃOS

Produção agroecológica ganha espaço nas lavouras mineiras

Compartilhar isso

Apenas no último ano foram identificados 97 novos casos de cultivo sem agrotóxicos no estado. Previsão é de que número de ações dobre até 2019


21/10/2016
Produção agroecológica ganha espaço nas lavouras mineiras - Foto/divulgação
Hortaliças e frutos orgânicos, produzidos em escala comercial sem o uso de agrotóxicos, hormônios ou adubos químicos em qualquer fase da produção. Esta é uma realidade em 76 municípios mineiros.
Apenas no último ano foram identificados 97 novos casos de produções agroecológicas nas lavouras do estado, segundo informações da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) que está fomentando o Programa de Agroecologia, por meio da Ater Agroecologia.

O objetivo é conscientizar e capacitar agricultores familiares para o plantio sustentável com vistas à preservação da biodiversidade, geração de renda e qualidade de vida em todos os 17 territórios de desenvolvimento do estado. A previsão é de que ações resultem no crescimento anual de pelo menos o dobro dos casos até 2019.

Atualmente, 107 técnicos extensionistas da Emater-MG acompanham o processo da produção orgânica no campo em trabalho conjunto com os agricultores familiares, que aprendem técnicas do plantio sustentável por meio de palestras, reuniões e dos guias de campo construídos coletivamente e de acordo com as necessidades de cada um. Eles são estimulados a adotarem técnicas de plantio que respeitem a natureza e o ambiente.

“Buscamos criar debates que promovam o conhecimento e o acesso às legislações pertinentes à agricultura orgânica”, diz o técnico extensionista e coordenador regional da Emater-MG em Pouso Alegre, Alexandre Kurachi.

“Além disso, auxiliamos os produtores na elaboração do plano de manejo e damos apoio na adoção de práticas da agricultura com bases sustentáveis, o que vem permitindo que agricultores tenham uma relação mais íntima e cuidadosa com suas plantações e alimentos”, completa o técnico.

Os extensionistas utilizam metodologias participativas e técnicas durante as visitas e reuniões que favorecem e estimulam a elaboração de novos conceitos. Assim, promovem a produção do conhecimento agroecológico e a mudança de comportamento dos produtores orgânicos familiares com relação as suas produções.

Todo o conhecimento é construído com base no fortalecimento da relação de confiança entre o extensionista e os agricultores familiares, que surge com o tempo e através do reconhecimento dos saberes e do respeito mútuo. Algumas sementes já brotaram e com sucesso.

“Eu me mudei para o campo com marido e filhos para estar mais perto da natureza. Ao participar de uma das reuniões com os extensionistas da Emater-MG para conhecer o plantio sustentável ganhei 300 gramas de amendoim de outro produtor. Fiz a preparação e o plantio das sementes de amendoim e hoje consigo colher 150 kg por mês, em média. Os agrônomos trazem o conhecimento técnico que a gente não tem”
Ana Rita Nossak, produtora e presidente da Associação de Produtores Ecológicos do Sul de Minas

Como resultado do aprendizado, hoje Ana dedica seu trabalho também ao plantio de morangos, café, feijão, mandioca e diversas outras hortaliças que produz sem a utilização de fertilizantes, agrotóxicos e outros produtos nocivos à saúde e ao meio ambiente, descartados do trabalho cotidiano. Seus produtos são comercializados na feira orgânica de Pouso Alegre.

“Com o apoio dos técnicos aprendi muito sobre a importância da organização do grupo. Estamos trabalhando no envolvimento do agricultor na causa e a quantidade de interessados pela agroecologia tem aumentado. Estamos percebendo o interesse das pessoas. A mobilização é sustentabilidade também”, diz Ana.

Café mais forte
Os mais de 320 agricultores familiares de Poço Fundo têm consciência da importância da união de esforços. A produção de café agroecológico dos produtores ganhou força com a criação da Cooperativa dos Agricultores Familiares de Poço Fundo e Região (COOPFAM).

Por meio do sistema participativo e do apoio dos extensionistas da Emater-MG, os produtores familiares de Poço Fundo e outros municípios da região absorveram as técnicas de manejo do solo e da plantação, além das formas de preparo dos compostos orgânicos e de outras formas do plantio com base agroecológica.

Os resultados são visíveis. “Temos percebido essa mudança de relação do produtor com o solo, com os produtos e com as plantações. O trabalho agroecológico realizado pela Emater-MG mostra aos produtores as vantagens deste método de produção. Hoje eles sabem que o solo é vivo e que devem preservá-lo”, explica o técnico agrônomo da COOPFAM, Daniel Penha.
Além de preservar o meio ambiente e dar qualidade de vida ao homem do campo, o café da região é vendido para países como Itália, Japão e Estados Unidos.

Informações: Governo de Minas

ANUNCIE AQUI!