Mulher suspeita de enterrar marido vivo é ouvida pela Polícia em Careaçu, MG - ALÔ ALÔ CIDADE

PUBLICIDADE

Mulher suspeita de enterrar marido vivo é ouvida pela Polícia em Careaçu, MG

Compartilhar isso

Corpo foi encontrado no quintal de casa em São Gonçalo do Sapucaí.
Laudo da perícia apontou que vítima ainda respirava quando foi enterrada.

19/03/2015 20:45
Advogado foi morto e enterrado no quintal em São Gonçalo do Sapucaí (Foto: Reprodução EPTV)

A advogada Maria Augusta Tavares Vilela, de 46 anos, acusada de ter enterrado o marido vivo em São Gonçalo do Sapucaí MG, disse à Polícia Civil acreditar que ele estava morto quando escondeu o corpo no quintal de casa. O delegado que acompanha o caso, Diego Bruno Dias do Nascimento, deu detalhes sobre o depoimento dado nesta quarta-feira (18) na regional da Polícia Civil em Careaçu MG e vai compor o inquérito que investiga as circunstâncias que envolveram a morte do advogado Sílvio Tavares dos Santos, de 56 anos.

"Ela disse que ele tinha todos os sinais de que foi a óbito", relatou o delegado. "Corpo rígido, gelado e sem batimento cardíaco, o que é mentira", declarou Nascimento com base no laudo da perícia médica divulgado no dia 12 de março.

De acordo com o laudo, constatou-se a presença de uma grande quantidade de terra na traqueia da vítima, o que indica que ela ainda respirava quando foi enterrada. O corpo do advogado foi encontrado no dia 10 de março, depois que a esposa revelou o crime ao Ministério Público Estadual. Na época, Maria Augusto contou que a filha do casal asfixiou o pai depois que ele teve uma reação agressiva. Acreditando que ele estava morto, as duas teriam então escondido o corpo.

"Ela [Maria Augusta] disse que falou à filha que chamaria a polícia, mas a filha teria tido um surto psicótico, ameaçando se matar", contou o delegado sobre o depoimento. "Ela disse então que a filha sugeriu que o pai fosse enterrado no quintal."

A filha do casal, Abigail Samarah Tavares Vilela, de 26 anos, ainda deve ser ouvida no processo. Ela teria sido internada em um hospital psiquiátrico no interior de São Paulo após o crime. A advogada Maria Augusta deve continuar a responder o processo em liberdade.

O caso
Segundo a Polícia Militar, Sílvio Tavares dos Santos teria sido morto pela esposa há cerca de uma semana, quando o crime foi denunciado ao Ministério Público pela própria suspeita. Maria Augusta admitiu no dia 10 de março que matou e enterrou o marido com a ajuda da filha do casal.
Conforme o relato da suspeita na ocasião, o marido teria agredido as duas quando recebeu os remédios que costumava a tomar. Em defesa, a filha o teria asfixiado com as mãos e, na sequência, as duas mulheres abriram uma cova no quintal e enterraram o corpo. A polícia informou que tanto a vítima quanto as suspeitas faziam uso de remédio controlado devido a problemas psiquiátricos.
Também conforme a polícia, por ter cooperado com as investigações, Maria Augusta não foi presa, mas ela e a filha podem ser processadas por homicídio doloso, o que só deve ser confirmado após a finalização do inquérito feito pela Polícia Civil.


A vítima
Santos era uma figura popular na cidade e conhecido por vestir camisas de diferentes times de futebol, além de ser presidente do comitê local do Partido dos Trabalhadores (PT). A vítima chegou a ser candidata a vereador pelo partido em 2008.

Informações: Polícia Civil
Leia mais no G1

spider