Servidores da Polícia Civil entram em greve nas delegacias do Sul de Minas - ALÔ ALÔ CIDADE

PUBLICIDADE

Servidores da Polícia Civil entram em greve nas delegacias do Sul de Minas

Compartilhar isso

Delegados devem atender apenas durante 2h40 por dia, segundo sindicato.
Setores de trânsito e identificação atenderão entre 14h e 16h40.


20/06/2016
Em Poços de Caldas, adesão é de 100% ao movimento grevista da Polícia Civil, diz sindicato da categoria
(Foto: Sinval Garcia/Sindpol)
Servidores da Polícia Civil de Minas Gerais iniciaram na manhã desta segunda-feira (20) um movimento de greve em todo o Estado. No Sul de Minas, a expectativa é que o atendimento seja mantido em 30%, conforme exigência legal. Os setores de trânsito e de identificação devem ser os mais afetados. Funcionários de pelo menos oito cidades aderiram ao movimento.

Em Poços de Caldas, a adesão é de 100%, de acordo com o Sindplo, um dos sindicatos que representa a categoria. Os servidores de Varginha (MG), Guaxupé (MG), Três Corações (MG), Andradas (MG), Boa Esperança (MG), Alpinópolis (MG) e Lavras (MG) também já informaram a adesão ao movimento.

"Nós estamos cumprindo o horário de expediente, mas sem atendimento. Iríamos fazer uma operação grande na cidade, mas foi abortada por causa da greve. Só aqui temos 30 investigadores parados, mais o pessoal do administrativo. Em Belo Horizonte, o Detran e o setor de identificação estão parados. A princípio, está assim nas outras cidades da região também", relatou o investigador Sinval Garcia.

Segundo nota divulgada pelo Sindepominas, que representa os delegados, a categoria deve permanecer nas Delegacias da Polícia Civil durante o horário de trabalho, mas o atendimento ao público será feito apenas das 14h às 16h40, o que equivale a 30% da carga horária.

Ainda conforme o comunicado, os setores de trânsito e identificação no Sul de Minas terão expediente também entre 14h e 16h40, com entrega de documentos apenas às quintas-feiras.
Greve da Polícia Civil de Minas Gerais é por tempo indeterminado; na foto, adesão em Guaxupé, MG
(Foto: Sindpol/Guaxupé)

Por tempo indeterminado
O Sindpol informou que a decisão de iniciar a paralisação ocorreu em assembleia geral no dia 15 de junho, depois que os servidores avaliaram não terem obtido bons resultados em negociações com o Governo de Minas Gerais para melhorias trabalhistas.
Em Varginha, MG, servidores da Polícia Civil
também aderiram à greve estadual
(Foto: Sindpol/Varginha)

A categoria pede equiparação salarial entre diversos níveis de servidores, reestruturação dos cargos e carreiras da Polícia Civil e recomposição do quadro de funcionários efetivos, com a convocação de classificados em concurso e abertura de novo processo seletivo. O sindicato diz que apenas para o cargo de investigador, há uma lista com mais de 1,4 mil aprovados na seleção realizada em 2014.

Na quinta-feira (16), a Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão (Seplag) convocou uma reunião entre com o Sindpol e o Sindepominas para anunciar a criação de um grupo de trabalho e apresentar propostas aos policiais. Os sindicatos, no entanto, decidiram manter o movimento grevista até a convocação de uma nova assembleia para avaliar a posição do governo. A assembleia ainda não tem data para acontecer.

Fonte: G1/EPTV

spider