Governo transforma 'Minas em Números' em ferramenta de gestão e consegue avanços no combate à criminalidade - ALÔ ALÔ CIDADE

Governo transforma 'Minas em Números' em ferramenta de gestão e consegue avanços no combate à criminalidade

Compartilhar isso

Manual do portal está sendo encaminhado aos gestores dos 853 municípios pela Segov e Sesp. Ideia é informar e torná-lo um importante instrumento na elaboração de políticas públicas.

23/04/2018
Uma plataforma aberta à toda a sociedade, para consulta de dados diversos, de todas as regiões do estado, em que se pode analisar e comparar resultados de ações e políticas públicas. Assim é o portal Minas em Números (numeros.mg.gov.br), que vem ganhando espaço como fonte de pesquisa e proporcionando avanços importantes em áreas estratégicas, como por exemplo a segurança do cidadão.
Governo transforma 'Minas em Números' em ferramenta de gestão e consegue avanços no combate à criminalidade - Imagens: Carlos Alberto/Imprensa MG

Para disseminar ainda mais o seu alcance e torná-lo mais útil, as secretarias de Estado de Governo (Segov) e de Segurança Pública (Sesp) acabam de encaminhar o manual digital do “Minas em Números” às prefeituras e às presidências das câmaras dos  853 municípios mineiros. A ferramenta já se encontrava disponível, mas ainda era desconhecida da maioria dos gestores.

O Portal Minas em Números foi criado em 2012, utilizando o software Qlik View, segunda maior ferramenta de Business Intelligence (BI) no mundo. Ele está hospedado na Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais (Prodemge) e a responsabilidade é da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. O número de acessos desde a criação é de 145.271, conforme a Seplag.
O objetivo inicial da ferramenta tecnológica era condensar informações do Estado para o Acordo de Resultados. Entretanto, o governo atual enxergou no portal a possibilidade de torná-lo uma ferramenta fundamental de transparência que pudesse auxiliar na gestão. Ajustes foram feitos para o aumento de funcionalidades, atendendo, principalmente, às demandas do Observatório da Segurança Pública Cidadã, referência na segurança pública para informações oficiais.

Fácil navegação 
Ao acessar o portal, o internauta se depara com três grandes ícones: perfil regional, perfil municipal e painel de indicadores. A partir daí, a navegação se dá de forma didática e facilitada para se chegar aos números locais e regionais de temas como educação, administração pública, economia, emprego e renda, meio ambiente e infraestrutura, população e desenvolvimento, saúde e segurança pública. 
Há um extenso volume de informações para facilitar a vida de quem pesquisa ou busca explicação sobre as diferentes áreas governamentais.

Mesmo assim chegavam à Sesp pedidos de esclarecimentos que já estavam no portal, razão pela qual surgiu a ideia de criar o manual e levá-lo a todos os cantos do estado. Assim foi produzido pela Sesp um material de fácil compreensão, mostrando o passo a passo com o direcionamento das informações por meio de hiperlinks.  
Em razão da natureza das informações, a segurança pública é a área mais dinâmica no portal Minas em Números para fazer a transparência ativa. Por meio de infográficos interativos e com possibilidades de comparação, a atualização dos dados se dá mensalmente e resulta do trabalho conjunto das polícias Civil e Militar, por meio do Registro de Eventos de Defesa Social (REDS).

Segundo a diretora do Observatório da Segurança Pública Cidadã da Secretaria de Estado de Segurança Pública, Ana Luíza Werneck, a Sesp trabalha com Região Integrada de Segurança Pública (Risp), enquanto outras áreas do governo trabalham com a divisão do estado em 17 territórios de desenvolvimento. Contudo, é possível visualizar os números de diferentes formas e atender aos diversos atores interessados. 
“A lógica dessa gestão é ser transparente. Queremos ainda chegar a um maior nível de detalhamento como registros das ocorrências por bairros, mostrando os números de furtos e roubos de transeuntes e estabelecimentos comerciais”, observa Ana Luíza, ao reconhecer que facilitará ainda mais o trabalho dos que buscam a informação, seja jornalista, seja gestor.

De acordo com o secretário-adjunto de Segurança Pública, Aílton Lacerda, a proposta da Sesp é fazer com que as lideranças políticas, prefeitos e vereadores acessem “Minas em Números” para entender a dinâmica criminal no município e na sua região, a fim de contribuir para a eficiência das forças policiais. 
Caso haja necessidade de dados complementares, o Observatório estará à disposição para atender os gestores, desde que a informação seja autorizada pela legislação existente. 
“O manual facilitará o acesso aos dados da segurança pública, subsidiando a tomada de decisão. Acreditamos que através desta ferramenta o gestor municipal poderá coletar importantes indicadores econômicos e sociais para produção de diagnósticos e planos municipais, qualificando suas políticas públicas”
Ana Carolina Queiroz, superintendente de Apoio Institucional aos Municípios da Segov
Panorama mineiro
O secretário-adjunto da Sesp, Aílton Lacerda, com 28 anos de carreira na Polícia Civil de Minas Gerais, exemplifica que, quando ocorre um fato como ataque a caixa eletrônico cria-se uma sensação de insegurança, resultante do contexto nacional vivido. Segundo ele, o portal contribui para amparar a sociedade.
“Queremos que todos os cidadãos despertem e conheçam a ferramenta que disponibilizamos. Pela minha experiência, percebo que onde há proximidade e envolvimento da sociedade com as forças policiais, prefeituras e câmaras, os resultados são muito mais satisfatórios", argumenta.

Ele lembra que Minas Gerais tem uma extensão territorial grande, semelhante à da Espanha. O estado sintetiza, na sua visão, a grandeza do Brasil, pois cada região tem sua particularidade, com realidades distintas, o que reforça o valor do portal. 
“Existem diferenças muito significativas de cada lugar e elas estão, inclusive, nos indicadores disponibilizados no Minas em Números, que queremos que todos tenham acesso.  O propósito é inovar com o viés da transparência”, conclui Aílton Lacerda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário