Avião de pequeno porte cai e deixa dois mortos em Bom Despacho MG - ALÔ ALÔ CIDADE

Publicidade

Investigação e perícia confirmarão as causas do acidente e a identificação das vítimas da queda do avião em Bom Despacho


Duas pessoas morreram em um acidente aéreo na tarde do último sábado (14/07), em Bom Despacho, MG. Segundo relatos de testemunhas, a aeronave fazia manobras próximo ao aeroporto, quando perdeu forças e caiu em uma mata de difícil acesso e pegou fogo. Os corpos ficaram carbonizados. Um evento de acrobacias aéreas estava marcado para acontecer no município e a aeronave não estava na programação do evento, que acabou cancelado por falta de segurança.

No local da queda, foram recolhidos documentos de dois homens: Leonardo Traugott e Eryan Rathel. As identidades serão confirmadas após o trabalho da perícia. Para a reportagem, o Sargento Camilo, do Posto Avançado do Corpo de Bombeiros de Nova Serrana, disse que estava permitida apenas a exposição de aeronaves. A perícia vai investigar as causas da queda.

Ainda segundo informações, o pai de Leonardo Traugott, suposto piloto da aeronave, confirmou que o filho tinha embarcado no avião às 15h, em Pará de Minas, com destino a Bom Despacho. O modelo que se acidentou era um Eagle II, fabricado pela empresa americana Christen em 1982. Trata-se de uma aeronave preparada para acrobacias, com capacidade para duas pessoas (piloto e passageiro). De acordo com a Polícia, o prefixo da aeronave era PR-ZTE e havia sido adquirido pelo último proprietário em fevereiro de 2014. O avião estava em situação regular na Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) com certificado de autorização de voo experimental.

Este foi o segundo acidente aéreo com morte registrado em Bom Despacho. O primeiro aconteceu em 2013, quando um monomotor caiu em 17 de novembro. Na época, a vítima foi o empresário e piloto Álvaro Celso Nogueira D’Almeida, de 61 anos. O acidente aconteceu nos procedimentos de decolagem. Quando atingiu a altura de 30 metros, o avião perdeu sustentação e caiu de bico. O monomotor tinha prefixo PU-MED, modelo RV-6A (Acrobat). Álvaro estava sozinho e viria para Divinópolis.


PUBLICIDADE



Fonte: portal mpa

Avião de pequeno porte cai e deixa dois mortos em Bom Despacho MG

Investigação e perícia confirmarão as causas do acidente e a identificação das vítimas da queda do avião em Bom Despacho


Duas pessoas morreram em um acidente aéreo na tarde do último sábado (14/07), em Bom Despacho, MG. Segundo relatos de testemunhas, a aeronave fazia manobras próximo ao aeroporto, quando perdeu forças e caiu em uma mata de difícil acesso e pegou fogo. Os corpos ficaram carbonizados. Um evento de acrobacias aéreas estava marcado para acontecer no município e a aeronave não estava na programação do evento, que acabou cancelado por falta de segurança.

No local da queda, foram recolhidos documentos de dois homens: Leonardo Traugott e Eryan Rathel. As identidades serão confirmadas após o trabalho da perícia. Para a reportagem, o Sargento Camilo, do Posto Avançado do Corpo de Bombeiros de Nova Serrana, disse que estava permitida apenas a exposição de aeronaves. A perícia vai investigar as causas da queda.

Ainda segundo informações, o pai de Leonardo Traugott, suposto piloto da aeronave, confirmou que o filho tinha embarcado no avião às 15h, em Pará de Minas, com destino a Bom Despacho. O modelo que se acidentou era um Eagle II, fabricado pela empresa americana Christen em 1982. Trata-se de uma aeronave preparada para acrobacias, com capacidade para duas pessoas (piloto e passageiro). De acordo com a Polícia, o prefixo da aeronave era PR-ZTE e havia sido adquirido pelo último proprietário em fevereiro de 2014. O avião estava em situação regular na Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) com certificado de autorização de voo experimental.

Este foi o segundo acidente aéreo com morte registrado em Bom Despacho. O primeiro aconteceu em 2013, quando um monomotor caiu em 17 de novembro. Na época, a vítima foi o empresário e piloto Álvaro Celso Nogueira D’Almeida, de 61 anos. O acidente aconteceu nos procedimentos de decolagem. Quando atingiu a altura de 30 metros, o avião perdeu sustentação e caiu de bico. O monomotor tinha prefixo PU-MED, modelo RV-6A (Acrobat). Álvaro estava sozinho e viria para Divinópolis.


PUBLICIDADE



Fonte: portal mpa

Nenhum comentário:

Postar um comentário