Catadores de cooperativas mineiras comemoram pagamento do Bolsa Reciclagem - ALÔ ALÔ CIDADE

Publicidade

Catadores de cooperativas mineiras comemoram pagamento do Bolsa Reciclagem

Compartilhar isso

Governador recebeu trabalhadores do setor para conversa durante café da manhã na Cidade Administrativa

Catadores de cooperativas mineiras comemoram pagamento do Bolsa Reciclagem - Foto:  Marco Evangelista / Imprensa MG

O governador Romeu Zema participou de um café da manhã com representantes de cooperativas de catadores de Minas Gerais, nesta terça-feira (14/12), no Palácio Tiradentes, em Belo Horizonte. Durante o encontro, o chefe do Executivo conversou com os convidados, ouviu demandas e destacou a importância do serviço prestado pelas associações. Após esforços da atual gestão, o pagamento do Bolsa Reciclagem a entidades do setor foi regularizado no último mês.


Participaram do evento representantes de associações de Belo Horizonte, Belo Vale, Ipatinga, Itabirito, João Monlevade, Timóteo, Uberlândia, Nova União e Lagoa Santa.


“É um prazer recebê-los aqui. Considero a função de vocês muito importante, pois desempenham um trabalho que merece a valorização e o respeito da sociedade e do Governo. Temos um problema sério no Brasil que é a questão dos aterros sanitários e dos lixões. Onde a coleta seletiva é bem feita, os locais recebem menos materiais e aquilo que viraria lixo enterrado se transforma em renda e oportunidade de trabalho. Vocês exercem uma função que ajuda a preservar o meio ambiente e gerar recursos, garantindo renda para muitas famílias”, disse Romeu Zema.


O governador ressaltou que o Estado tem valorizado cada vez mais o setor, assegurando melhorias para as associações. “Nós regularizamos o pagamento da Bolsa Reciclagem. Tenho conversado com as secretarias de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e Desenvolvimento Econômico (Sede) para definir ações para que possamos ter uma proporção maior de material reciclável em Minas. Muito ainda não é reciclado porque a população não contribui com separação adequada. Se conseguirmos levar isso para grandes empresas e condomínios que produzem um volume maior de lixo, com certeza conseguiremos facilmente dobrar a quantidade de material reciclável, dobrando também a arrecadação das associações e gerando emprego e renda”, destacou Zema.

No encontro, a secretária de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Melo, elencou os desafios do Governo no fomento de ações de incentivo à coleta seletiva. “O governador tem nos trazido essa prioridade. Vale lembrar que resíduos sólidos e reciclagem fazem parte do saneamento. Primeiro, temos de incentivar a não geração de resíduos e, depois, a reciclagem. Hoje temos 152 associações e cooperativas cadastradas no Bolsa Reciclagem, em 127 municípios, e queremos ampliar esse número. Temos que ajudar os municípios, construindo parcerias para mudar a realidade”, afirmou.


Participação


Os representantes que participaram do encontro agradeceram a oportunidade. A fundadora da Cooperativa de Reciclagem e Trabalho de Itaúna (Coopert), Madalena Duarte, destacou os avanços construídos por meio do diálogo direto com o Estado.

“É um prazer estar aqui hoje participando deste momento com o governador. Quero agradecer também o empenho em atender nossas demandas e as visitas às cidades para conhecer de perto as nossas realidades. Sou uma catadora que saiu da situação de lixão e, hoje, por meio da cooperativa, a minha e outras 73 famílias sobrevivem da coleta seletiva. É um projeto bem sucedido que tem trazido bons resultados para a sociedade e para a cidade no geral”, lembrou a representante da Coopert.

Um dos representantes da Associação dos Catadores de Papelão e Material Reaproveitável (Asmare) e da coordenação do movimento nacional dos catadores, Luiz Henrique da Silva ressaltou a busca por alternativas em momentos de crise, como a pandemia. “Acredito que esse encontro marca o início de uma caminhada diferente entre nós, catadores de material reciclável, e o Governo. Reconhecemos o esforço que tem sido feito ao longo deste tempo e sei que não tem sido fácil. Sabemos da realidade e da dificuldade que a pandemia trouxe, mas o movimento esteve sempre em busca de alternativas para caminhar, junto ao Estado, com as pessoas que estão na ponta desta missão”, ressaltou.


Bolsa Reciclagem


Governo de Minas quitou todo o passivo da Bolsa Reciclagem neste ano. O programa foi paralisado em 2017 e, em 2019, teve o pagamento retomado e está com todas as obrigações em dia, totalizando R$ 10,5 milhões investidos na atual gestão, sendo R$ 4,5 milhões referentes a débitos de administrações passadas. 

Atualmente, 152 associações e cooperativas estão cadastradas, em 127 municípios mineiros, totalizando cerca de 2,4 mil catadores beneficiados. A média anual de reciclagem é de 38 mil toneladas de resíduos. 

O programa, instituído em 2011 via lei estadual, foi uma iniciativa pioneira no Brasil e, além de auxiliar famílias de catadores, também é um incentivo à reintrodução de materiais recicláveis na cadeia produtiva, reduzindo a utilização de recursos naturais e insumos energéticos.

“Naquilo que depender do Estado, nós queremos contribuir. Estamos atentos e atuamos para que a função desses profissionais seja valorizada o máximo possível. O trabalho é digno de aplausos, já que ajuda a preservar o meio ambiente, além de sustentar muitas famílias e gerar empregos”, frisou o governador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

Publicidade

Publicidade